Eu e o meu primo na cachoeira!

comendo o primo
        Oi pessoal, estou aqui para contar mais uma das minhas aventuras, me chamo Anderson, tenho 21 anos, um pau de 18 cm, sou branco, olhos castanhos, cabelos negros, curto mulheres, mas ás vezes gosto de comer um cu de macho, curto chupar ás vezes, contando que quem eu esteja comendo seja macho ou discreto, não curto afeminados.           Tenho um primo que se chama Christian, ele tem 18 anos, branquinho, barriga lisinha sem tanquinho, cabelos cacheados e meio loiro, é aquele típico novinho ,magrinho e gostoso, super gente boa, garanhão, sempre tive mó tesão nele, principalmente quando ele veste aquele calção fino de futebol, ele parece ter uma bundinha gostosa e a sua mala, nem se fala.

Certo dia, eu e ele resolvemos ir para o sítio da minha avó, pegamos uma carona e fomos, o cara nos deixou na estrada, pois tínhamos que entrar numa trilha, eram 2 horas de caminhada até o sítio, ainda eram uma 10 horas da manhã. Entramos na trilha e fomos caminhando e conversando para passar o tempo, pois adiante só veríamos mato, ele ia me contando que uma mina que ele pegava estava grávida dele e tal.

Teve uma hora em que ele resolveu mijar, eu também aproveitei pra fazer o mesmo, me posicionei do lado dele, sem querer eu abaixo a cabeça e vejo a cabeça do pau dele, juro que foi sem querer, e continuamos a caminhar, a partir daí comecei a imaginar ‘maldades’, estávamos apenas nós dois numa trilha no meio do mato, e trilhas é um dos meu fetiches, e pra piorar me lembrei que um colega meu me disse que viu ele chupando o pau do colega dele bêbado, fiquei me perguntando se seria verdade.

Enquanto continuávamos caminhando e conversando, eu reparava na sua bundinha tentando imaginar como seria ela por debaixo do calção, já estávamos na metade da viagem quando chegamos á uma cachoeira, cheio de pedras, um lugar calmo. Como o sol estava de matar, resolvemos parar pra descansar e dar um mergulho. Ele foi o primeiro a tirar a sua roupa e ficar apenas de cueca boxer verde e do nada ele abaixa sua cueca, ficando completamente nu, deixando á mostra os seus atributos.

Eu também tirei toda a minha roupa e fiquei pelado também, pois ali não tinha perigo de alguém nos ver, olhei pro lado e ele mexia na sua mochila abaixado, foi impossível não reparar no seu corpo, suas coxas grossas, pois jogava futebol, bundinha branquinha, empinada e lisinha, corpo de novinho gostoso, olhei pro seu pau, e vi que era bem branquinho, era pentelhudo e tinha um sacão, meu pau começou a dar sinal de vida, então fui o primeiro a pular na água.

Ele continuou abaixado procurando algo na mochila, eu nadei e fui pra perto da queda d´agua, onde tinha um paredão de pedra, fiquei esfregando o meu corpo coma mão, meu tanquinho, meu pau e a minha tatuagem de dragão, eu olhei pra ele e vi que ele estava olhando diretamente pra mim, e então desviou o olhar. Ele pulou na água e foi lá comigo e trouxe consigo um sabonete, continuamos conversando enquanto nos ensaboávamos, eu esfreguei o meu pau e do nada começou a endurecer e eu disse:

_POw muleke o meu pau deu sinal de vida!

Ele riu e disse:

_Tu ta precisando pegar uma mina. Disse ele rindo, pulamos na água.

_Poizer, é foda ficar sozinho. Pra aliviar só uma punheta mesmo.

_Aqui que é bom trazer umas minas pra comer. Disse ele

_È verdade, nessa cachoeira, nessas pedras, caralho tou excitado já só em pensar.

_Eu também. Pow mano se viesse uma mina com agente tu tinha coragem de comer ela junto comigo? Perguntou ele.

_Tinha mesmo! Do jeito que eu tou na seca eu comeria o que viesse.

_Até homem? Disse ele num tom sarcástico!

_Por que não? dizem que eles chupam bem. Eu disse rindo.

Ele riu, e eu brincando perguntei ele não queria bater uma pra mim, ele negou dizendo que não era gay e tal, eu disse que ele não viraria gay por me punhetar, vi que ele não ficou com raiva, mas sim um pouco pensativo, insisti pra que ele pegasse no meu pau, sempre rindo é claro, então ele disse que só faria se eu fizesse nele primeiro, fingi não querer, eu disse que se ele pegasse no meu eu não contaria pra ninguém, ele me disse a mesma coisa, era visível a nossa excitação, isso estava tomando o rumo inesperado.

Foi quando ele disse que se eu pegasse no pau dele, na mesma hora ele pegava no meu, sem pensar, acho que o tezão falou mais alto, eu peguei no seu pau, pois eu queria comer muito aquele cuzinho e essa era a oportunidade, ele ficou imóvel e eu disse:

_Vai pow, agora é a tua vez!

Ele pegou no meu pau, fui á loucura, ficamos lá um pegando no pau do outro, sugeri que ele batesse pra mim e eu pra ele, ele aceitou e nos masturbamos por uns 5 minutos, e ele perguntou:

_Isso vai ficar só entre nós né cara? tu não vai falar nada pra ninguém não né?

_Claro que não, relaxa!

Ele largou do meu pau e sem falar nada se abaixou e abocanhou o meu pau, tremi de tesão na hora, soltei um gemido alto, ele começou a chupar o meu pau e como chupava aquele muleke, com certeza ele já tinha feito várias vezes, passava a lingua na glande, e pelos lados, massageava os meus testículos, e voltava a chupar. Engolia todo os meus 18 cm na garganta profunda, lambia o buraquinho do meu pau, ás vezes mordiscando, eu o observava de cima e ele me olhava de baixo com o pau na boca com cara de safado e ficou assim por alguns minutos.

Então o peguei pelos seus cabelos encaracolados e o fiz levantar, era a minha vez, me abaixei e abocanhei a sua rola e que rola, é incrível como os adolescentes e jovens de hoje crescem rápido, descobri que o pau dele também tem 18 cm, tem cabeça rosada, é torta pro lado esquerdo, só que é um pouco mais fino que o meu, e era bem peludo e babava muito. Chupei muito, enquanto a minha mão ficava na sua cintura e ás vezes na bunda dele fazendo o vai e vem do seu corpo, enquanto eu me masturbava.

Foi quando ele perguntou se eu tinha trazido camisinha e eu disse que eu era ativo, eu não dava, só comia, ele disse que era ele que iria dar pra mim, me alegrei, finalmente iria comer aquela bundinha arrebitada,mas eu não tinha trazido camisinha, então ele disse que confiaria em mim e me daria sem camisinha.

O levei pro paredão e o encostei ele em pé na parede de pedra, mandei ele arrebitar a sua bunda lisinha e grande, me agachei e meti a língua no seu cu, fiz um cunete gostoso e bem babado,ás vezes metia uns dois dedos no cuzinho dele e dava uns tapas, ele apenas gemia, ele não era mais virgem, aquela era sua terceira vez como passivo.

Levantei uma perna dele na parede, posicionei o meu pau na portinha do cu dele que piscava muito, ele mandou eu ser carinhoso, então fui enfiando devagar, ainda era um pouco apertado, meti centímetro pro centímetro, ele gemia baixinho e pouco a pouco vi o meu pau sumindo no seu cu até entrar tudo, minha barriga encostou na sua costa, depois eu peguei na sua cintura, fazendo movimentos contra o meu corpo, fui acelerando o ritmo,minutos depois já estava fodendo ele com força, pegando ele pelos ombros, ás vezes eu mordia a sua orelha e lambia o seu pescoço, ficamos assim por uns 7 minutos.

Ele disse que queria dar pra mim de frango assado, assim fizemos, deitei ele de barriga pra cima, coloquei as suas pernas no meu ombro, apontei o meu pau na portinha e enfiei de uma vez só e ele fez cara de dor, eu curto quando o cara sofre no meu pau. Joguei o meu peso em cima dele, e acelerei o movimento, eu o comia forte e ele gemia, de olhos fechados e ás vezes dando aquele sorriso de quem ta gostando de um pau enfiado no cu, eu dei um beijo nos seus lábios vermelhos e ele retribuiu, nossas línguas dançavam num só ritmo.

Meu corpo batia no dele fazendo um barulho encoberto pelo som da cachoeira, imagina a cena, dois jovens transando na cachoeira, totalmente entregues ao prazer,sem preconceitos, não demorou muito e eu gozei vários jatos no seu peito, mas meu pau não amoleceu, resolvemos mudar de posição e ele sentou em cima do meu pau, cavalgou muito, era lindo olhar aquele novinho gostoso quicando e gemendo no meu pau, enquanto eu o masturbava e as vezes passava a mão na sua barriga. Mudamos de posição mais uma vez e eu comi ele de ladinho, bem abraçadinhos, com uma perna levantada, depois ele sentou em cima de novo e cavalgou, só senti os seus vários jatos no meu peito, ele tinha gozado sem se tocar, enquanto gozava ele sorria, mas seu pau não amoleceu e continuou cavalgando.

Anunciei que iria gozar e ele prontamente levantou e chupou o meu pau e eu me masturbei até gozar ,gozei litros na sua boca, vários jatos de porra, encheu a sua boca e pra minha surpresa ele engoliu tudo, depois eu o masturbei e ele gozou muito na minha mão. Prometemos que iriamos repetir, pois ele disse que nunca tinha gozado sem se tocar, prometemos não contar nada pra ninguém, tomamos banho e fomos embora, na volta transamos de novo, sempre quando vou pra minha cidade repetimos a transa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *