O caminhoneiro, amigo do meu pai, comeu nós dois – 2

pau grosso

Jairo estava na cidade e veio como de costume se hospedar na nossa casa. Meu pai chegaria no dia seguinte após a sua chegada pois estava no interior dando aula. Recebi ele em casa e após algumas cervejas acabei com a rola dele cravada no meu rabo, mas essa historia você pode ler no meu outro conto, anterior a esse.

O que importa é que antes disso acontecer ele estava fortemente repetindo que comia não só o Marcelo como também o meu pai. E ele havia combinado comigo de me mostrar isso naquela noite.

Acordei todo dolorido! A surra de pica que levei de Jairo na noite anterior tinha sido severa. O cara tinha me comido bonito. Já havia transado com outros homens, tanto como ativo como passivo, e até ja tinha tido namoradas, sou discreto, na minha, mas o jeito do cara transar somado com o pau gigante que ele carregava entre as pernas (ate aquele momento não poderia precisar com exatidão, mas era uma pistola de calibre muito grosso a ponto de minha mão não fechar ao segurá-la e olha que tenho mais grandes, até em fotos de net é raro ver um pau tão grosso, e até aquele momento eu achava que devia ter algo entre 20 e 21cm, na verdade eu achava até ser maior mas dava um desconto pelo fato do pai dele, diferente do meu, era totalmente reto, resumindo: é uma verdadeira tora o que o baixinho carrega entre as pernas) me torou todo. Eu nunca tinha visto uma pica tão parruda! Fora o jeito dele de meter. Se eu metesse na intensidade que ele mete gozaria em um minuto. O cara é um reprodutor nato, a maior prova disso era que mesmo tendo gozado 3 vezes, sempre jorrava gala daquele pau, o cara tinha muito leite pra fornecer. Eu Sentia o rabo todo ardido e dolorido. Passei os dedos no meu cuzinho e senti que ainda estava dilatado. O estrago tinha sido bom.

Mas ainda assim eu estava ansioso. Ele afirmava que comia meu pai a anos. Não consegui acreditar a principio, mas a forma incisiva dele dizer isso me colocava uma pulga atrás da orelha. O combinado era flagrar ele comendo meu coroa naquela noite. E eu só pensava nisso. Não entenda errado, não sinto tesão em meu pai, mas estava estourando de tesão com a ideia de ver aquele macho parrudo traçando o meu coroa.

Decidi levantar. Andei pela casa e não encontrei Jairo. No celular uma mensagem de meu coroa dizendo que chegaria depois das 17hs porque a estrada estava toda engarrafada. Ainda eram 15hs e Jairo só apareceu um pouco depois das 16hs.

Chegou sem camisa e usando short. O suor escorria pelo seu peito e segurava a camisa na mão.

– Acordou muleque?!? Dormiu legal hein?
– Porra tava cansado.
– Te falei que não era pra me dar cachaça! Quem pagou o preço foi seu cu.

Falou isso rindo. Como disse, ele sempre foi desbocado.

– Curti te comer. Vou querer mais!

Eu somente sorri da frase dele

– E você? Dormiu bem?
– Sim, levantei ja meio-dia, dai fui no galpão e consegui um frete pra segunda, é aqui pra perto mesmo, como vou ter que ficar mais uma semana aqui antes de poder voltar com a carga é bom que faço um extra. Aproveitei e ja carreguei o caminhão.
– Mais uma semana?
– É só vou embora sem ser nessa segunda na próxima.
– Legal, assim você vai ter tempo bastante pra matar a saudade da galera.
– Com certeza! E também tiro meu atraso! Aproveito pra meter muito!
– É passar um mês na estrada sem dar uma deve ser foda.
– Nem só isso, minha esposa também não me acompanha não, a gente fode toda semana, mas dar mais de duas na semana so com muita insistencia minha. Daí fico nessa dependencia dos brothers daqui pra me ajudarem a me aliviar!

Eu sorri.

– Deixa tomar um banho, essa cidade é quente demais, só disso que não sinto falta daqui. E ae? Nandão (apelido de meu pai, Fernando) deu sinal de vida?
– Sim, lá pras 17hs ele tá chegando.

Entrou no chuveiro e foi tomando banho na boa sem se importar com minha presença. Achei ótimo ficar assistindo ele tomar banho, puro tesão ver aquele macho se lavando.

– Porra, vou sair pra comprar umas cervas pra gente.
– Precisa não, ainda tem aí.
– Sim mas tem pouca, quero tomar várias pra ficar com bastante tesão pra comer ele a madrugada toda como comi você. Aliás você tá lembrado do nosso acordo né?

Eu balancei a cabeça fazendo sinal que sim.

– Então pronto! Agora que como o filho tá na hora de acabar com essa palhaçada de segredinho.

Pode parecer estranho, mas eu estava com muito tesão em imaginar aquele baixinho marrento, parrudão e gostoso varando meu pai, isso e ver ele ali se lavando me deixaram num tesão louco, mas mais uma vez deixei o movimento pra ele, mas ele nem me deu bola, pensei que ele devia estar se guardando pra mais tarde. E fiquei ali so observando enquanto ele ensaboava o pau. Então não resisti e comentei:

– Cara seu pau ate mole é grande.

Ele sorriu e respondeu:

– É na boa, minha pica é grande mesmo. Fora a minha vi poucas picas, mas tipo olhando pra sua, do seu pai, do Marcelo e de um ou outro cara so vi uma maior que a minha. Adailton, um colega caminhoneiro. Mas o cara é um negão de mais de 1,90 e que também nunca mais vi.
– É ai tudo bem, um cara de 1,90 com um picão a gente entende, agora você com sua altura quando a gente vê assim se surpreende, até porque sua pica é grossa pra caralho.

Ele estava gostando de se vangloriar da ferramenta dele e continuou me dando corda.

– É nisso nem o Adailton, minha rola é grossa e você viu que quando ela fica dura fica retona né?
– Vi sim! E dura também! Parabens pela pica.

Pela descendencia dele o cara naturalmente não tinha pelos no peito, costas, braços e nem nas pernas, tinha alguns poucos nas axilas mas tinha bastante no saco e na virilha. Notei isso e dei a dica:

– Agora sabe como como seu pau ficaria maior?

Ele me olhou curioso

– Como?
– Se você raspasse esses pentelhos! Sua pica ia ficar enorme de grande.
– Que é isso cara? Só porque raspei a pica ela cresce?
– Não, mas a aparencia que dá é que fica maior. Você podia raspar pra ver.
– Eu não, minha esposa estranharia, sei lá. seria doido isso.
– Você so vai encontrar ela daqui a mais de um mês ate la ja cresceu de novo, acho que se você experimentasse ia gosta.

Ele me olhou desconfiado e eu continuei

– E vai ficar ate melhor pra chupar.
– Ta bom, mas não vou raspar não, eu não sei fazer isso e não quero me cortar.
– Eu raspo pra você ja to acostumado a raspar o meu!

Ele riu.

– Ta bom, quer da uma rola raspada de presente pro Nandão né? Beleza então pode raspar minhas bolas. Vamos ver como vai ficar isso.

Então pedi que ele saísse do banho se enxugasse e se sentasse no sofra sobre a toalha.

– So ande rápido que quero terminar antes do Nandão chegar porque não quero que ele saiba ainda que já te como e já quero ta com a cerva aqui quando ele chegar.
– Deixe comigo, vou ser rápido, não vou te cortar, e você vai gostar do resultado.

Ele se sentou meio recostado, me sentei no chão, espalhei a espuma de barbear no sacão enorme dele, sim o saco dele é muito grande, um belo sacão, e comecei a raspar. O pau dele nem deu sinal de vida, parecia não ligar mesmo pra eu esta ali pegando nos ovos dele e mexendo a pica pra la e pra ca. Então o telefone dele tocou:

– Opá! Minha dona ligando!

E atendeu ao telefone e começou a conversar com ela. Continuei com meu serviço e terminei com o sacão, e decidi raspar a virilha dele tambem, espalhei a espuma e continuei a raspar ele. Eu ja estava quase pra gozar so com essa brincadeira. Meu pau estava tão duro que doia. Enquanto o dele estava totalmente mole, ele conversava com a mulher sobre uma obra no banheiro da casa deles. Terminei de raspar tudo, e foi como eu falei, ainda mole so por estar raspada a rola dele ja parecia maior que nunca. Ele não tinha terminado com o papo e aproveitei e fiquei brincando com o pauzão mole nas minhas maos, mas nem sinal de ficar duro, ate que não aguentei e abocanhei. Ele me olhou e riu de canto de boca enquanto ouvia algo que a mulher dizia. Agora sim a pica dele começava a crescer aos poucos dentro da minha boca ate que estava totalmente dura e pude ver o resultado do trabalho que fiz, a pica parecia mais gigante, se é que era possível. Ele emfim terminou a conversa com a mulher e desligou o tel.

– Gostei! Ficou grandão mesmo!
– Não falei?

E voltei a mamar a pica dele, ele me segurou pelo cabelo com aquela mão enorme dele e deu duas empurradas na cabeça atolando a pica na minha garganta e por fim puxou pra fora.

– Chega! Você ja tomou seu leite, agora é pra seu pai e pro Marcelo.
– Poxa mas ja comecei!
– É eu sei, mas deixe de ser egoista os caras também tem direito, você ja ganhou foi três vezes ontem, aliais ontem não essa madrugada.
– Sim, mas nunca tinha recebido leite de macho (o que era verdade) fiquei com vontade de mais e você disse que tava carregado.

Ele me olhou com cara de safado

– É to mesmo.

E pegou no sacão apertando.
– Olha como o saco ta inchado.
– Então, vai me da mais um pouco vai?
– Ta bom, umas jatadas de gala a menos não vai fazer diferença mesmo, to abarrotado de gala mesmo, aliais por isso que tava gozando rápido essa madrugada? É o excesso de leite nos bagos. E também não aguento um brother me fazendo um pedido. Vai la então, ordenha ai com a boca. Só não vou comer seu cu porque a gente tem que ser rapido aqui antes de Nandão chegar. Vou ate ligar pra ele pra ver onde ele ta.

Com isso comecei a chupar e punhetar aquela tora com toda vontade. Chupava a cabeça e engolia a rola enquanto ele ligava pra meu pai.

– E ai Nandão? Ta onde?

Porra meu tesão foi a mil, ele estava conversando com meu pai enquanto eu no chão mamava a toda aquela pica.

– Então daqui a pouco você ta aqui ne? Relaxe que tô com seu guri aqui na sala e ele ta cuidando direitinho de mim. Você tem muito que se orgulhar desse muleque. Sabe como tratar seus amigos!

E com isso, me segurou pelos cabelos e começou a conduzir o vai e vem da entrada da pica dele na minha boca. Trocou mais algumas frases com meu pai e desligou.

– É vadia, se quer leite vamos adiantar que seu pai ja ta chegando!
-A gente podia aproveitar e medir pra ver quantos cm tem sua pica!
-Pra que isso? Você ta cheio de novidade hoje.
-Só pra saber qual o tamanho dela cara, aproveitar que ela ta durassa.
-Cara ja basta pra mim saber que ela é grande, não preciso saber quantos cm tem.
-Ah sei lá, só acho que seria legal saber o tamanho real, eu penso que seja um pouco mais de 20cm.
-Porra purinha pra mim tanto faz. Mas se você ta curioso, então mede ai.

Então me levantei, peguei uma fita metrica que foi o que pensei na hora, voltei e me sentei no chão entre as pernas dele. Peguei a tora com uma mão e estiquei a fita medido ele. Repeti a medida 3 vezes antes de dar a conclusão.

-Puta que pariu Jairo! Sua pica é maior do que eu imaginava!
-Serio? Quantos cm deu ai moleque?
-23,4cm!

Jairo riu alto e largo!

-Porra moleque! 23,4cm de pica? é isso que você ta levando no cu?
-Cara até eu to impressionado aqui! É grande demais! É assim sem pelos então…
-É mas a gente já sabia que era grande, legal, coisa e tal, vamos continuar logo antes que o Nandão chegue.

Se levantou, me segurou pelas orelhas com força, o que me causou dor

– Deixa eu fuder essa boca pra adiantar porque senão vai demorar essa ordenha.

E comecou a fuder minha boca com tudo. Enterrava fundo na minha garganta. Ele estava rasgando minha garganta a toda, o rolão não entrava todo pq era impossível, mas ainda assim o sacão dele batia no meu queixo vez ou outra. Eu quase não conseguia respirar com aquele mastro invadindo minha garganta e a cada enterrada funda meus olhos se molhavam com lagrimas. Ele tava fudendo minha boca e minha garganta. Segurei a cintura dele com as maos para tentar reduzir um pouco o ritimo mas não ajudou muito, o brucutu continuava a varar sem pena, não dando muita importancia pra minha tosse e engasgo abafados.

– Quer leite vadia?

Eu so conseguia responder com gemidos

– Então vai ter leite puta!

E continuou socando sem parar.

– Agora, toma leite!

E começou a urrar enquanto eu sentia a gala dele invadir minha boca! Não era possivel aquele macho ter gozado três vezes a algumas horas e ainda assim estar inundando minha boca deesperma! O cara tava realmente carregado. Ele gozou e deu umas estocadas em minha boca. Olhei pra ele com a pica na boca e ouvi:

– Vai engole, não era isso que você queria?

Obedeci engolindo do jeito que dava ja que eu ainda tava com boa parte daquele mastro na boca, ele ainda deu uma enterrada funda e tirou a pica da minha boca.

– Abre a boca e poe a lingua pra fora.

Obedeci e ele começou apertar a pica da base tirando algumas gotas de porra que pingaram em minha lingua.

– Vai saboreia ai meu leite.

Mais uma vez obedeci e em seguida eu pus a cabeça da pica dele na boca e suguei pra puxar qualquer sobra que tivesse la.

– Aí ta vendo? Gozei rápido de novo. Muito atraso! To cheio de mel de pica pra por pra fora. Por isso que a gente tem que fazer essa parada hoje. Quando isso acabar não vamos mais precisar ficar na correria, vou poder botar você pra mamar sem a pressa de seu pai chegar!

E com isso saiu arrancando a pica da minha boca e foi para o quarto e ja voltou com a bermuda e sem camisa.

– Tô indo pegar a cerva!

Acabou que ele saiu e voltou uns 20 minutos depois com a cerveja. Ele já era de casa e não se fez de rogado em guardar tudo na geladeira e arrumar uma coisa aqui e outra ali.

Assim que ele terminou meu pai chegou e ao ver Jairo fez aquela festa. Conversaram, puseram o papo em dias, meu coroa fez o jantar improvisado e ficamos ali bebendo, comendo e conversando. Ja passava um pouco das 22hs quando Jairo discretamente fez sinal batendo com o dedo indicador no pulso, entendi que estava na hora de me retirar. Me despedi dos dois e fui para meu quarto e me deitei como que estivesse dormindo, mas logicamente não estava. A ansiedade não me deixou cochilar nem um segundo. Meu sono é muito pesado e não acordaria fácil caso dormisse. Quase 00hs meu pai abriu a porta do quarto e fingi que dormia pesado, ele fechou a porta e saiu. Acho que ele queria se certificar que eu estava realmente dormindo.

As 00:29 tomei coragem e sai do quarto na ponta dos pés e fui em direção a sala.

Ja do corredor eu pude ouvir o som das estocadas de Jairo no rabo de meu cora juntamente com ele dizendo:

– Toma rola sua puta, toma no cu o que você gosta

Me aproximei com cuidado e da ponta do corredor pude ver que meu pai estava de 4 no sofá, exatamente como eu estava na noite anterior enquanto Jairo metia fundo e sem pena. Ele olhou pra trás e me viu abrindo um sorriso safado como quem diz: não falei?

Ainda assim fiquei quieto e parado, ao mesmo tempo besta por estar vendo meu pai ali servindo de puta pra aquele macho e ao mesmo tempo cheio de tesão por estar vendo meu pai sendo feito de puta para aquele macho.

Ele alguns segundos após me ver segurou meu pai pelos cabelos puxando ele e o ajoelhando de quatro no chão e montou sobre ele e continou socando fundo. A forma que ele fez dominou o Nandão por completo. Naquela situação ele estava no controle e meu pai a sua total e completa mercê. Então, com aquele sorriso safando, virou ora mim é fez sinal pra que eu viesse para a sala, ele realmente queria que eu visse tudo e que meu pai soubesse que estava sendo visto.

Nervoso e excitado segui na direção deles e falei:

– E aí Jairo.

Ele sem parar de meter respondeu:

– Tudo ótimo, to aqui comendo o cu do seu velho.

Meu pai virou me olhando com um ar de assustado e até tentou sair da rola de Jairo, que deu uma enterrada funda e travou ele.

– Pra onde vc pensa que vai puta? Ainda não terminei com seu cu.

E voltou a meter. Realmente por mais inacreditável que parecesse estava ali na minha frente, meu pai sendo empalado pelo mastro do caminhoneiro metedor, sendo feito de puta do baixinho torado, como eu fui feito, na noite anterior.

Metendo fundo mas lentamente o macho comedor olhou pra mim e falou:

– Perdeu o sono Fabrício?
– Pois é, acordei e vim beber um copo d’água.
– Entao, bebe lá sua água e trás outra cerva pra mim. Mal comecei e ainda. ou demorar aqui pq estou cheio de atraso pra tirar, mas to de bico seco.

Fui pra cozinha peguei a lata de cerveja abri e entreguei pra ele que não parou de meter, naquele ritmo fundo é lento, pra beber a cerveja. Meu pai estava com olhos fechado e a cara colada no chão enquanto lentamente Jairo castigava o rabo dele.

– Gelada! Ótima pedida quando se tá metendo! Vai na cerva Nandão?

Ele não respondeu. Ele estava envergonhado e ainda tendo que agüentar aquela trolha no cu. Descidi sair dali, já tinha visto o que precisava ver, mas aí me ver saindo Jairo interveio:

– Vai onde muleque?
– Pro meu quarto.
– Não, nada haver, senta aí, tenho uma parada pra você.

Ele não parava de meter enquanto falava comigo e bebia a cerveja, porra um macho metedor de verdade! Eu fiquei com o pau tão duro que achei que ia rasgar o shorts. O tom firme dele não soou como um pedido e sim como uma ordem, então me sentei no sofá em frente a eles e assiti uns 25 minutos de pistoladas severas no coroa regadas a frases do tipo:

– Essa puta tá queta hoje, devo tá metendo pouco, toma mais então p ver se solta a língua.

Ou

– Borá viado, geme na piroca como vc sempre geme!

Ou

– Vai vadia, chora na pica!

E assim por diante, ele gostava de se impor como o MACHO fudedor. Até que ele se levantou arrancando a pica do rabo do coroa, que imediatamente se largou no chão e vindo em minha direção e sem nenhuma conversa, me segurando pela nuca e enterrando a pica com tudo fundo na minha garganta.

– Tome o que você tanto gosta direto na guela viado filho!

E começou a fuder minha boca com tudo! E em poucos segundo senti os jatos de porra grossa mais uma vez invadindo minha boca enquanto ele gemia feito um urso. Ele travou minha cabeça com as duas mãos enormes dele e ao terminar de gozar voltou a meter pra me fazer engolir o leite dele. O que aconteceu. Acabei engolindo tudo mais uma vez

Ainda com a tora enterrada na garganta ele riu:

– Porra, vc é escroto! Seu pai se fode todo pra fazer a ordenha da rola e vc engole tudo e nem deixa uma gota pra ele! Sacanagem!

Em seguida arrancou o pau da minha boca e se jogou sentado sobre o o sofá.

– Borá Nandão! Levanta desse chão! Vc toma no cu desse jeito a anos, não é possível que ainda não esteja acostumado.

O coroa levantou todo sem jeito, mas visivelmente muido. Era visível que mesmo com anos de experiência, aguentar a juba do caminho neuro ainda era tarefa árdua pro coroa.

– Senta aqui com a gente!

Ele obedeceu Jairo e se sentou na outra ponta do sofá, pegou a almofada e cobriu o próprio pau. Jairo entregou a lata de cerveja pra ele e se levantou.

– Vou no banheiro mijar.

E saiu deixando nos dois sozinhos na sala. Se fizeram alguns segundos de silêncio, percebi que o velho estava envergonhado, mas antes dele começar a dizer qualquer coisa me adiantei:

– Pai, relaxa, tá tudo bem!

Ele se virou e olhou pra mim com ar espantado. E eu continuei:

– Nada mudou, vc não caiu em nada em meu conceito. Continuo vendo vc da mesma maneira de antes! Serio mesmo. Porra vc é macho! Assim como eu! Quantas mulheres eu ja vi vc pegar? Acha que eu não lembro disso? Mas o Jairo é foda! Ele é macho alpha, e um macho alpha faz o que quer até mesmo com outros machos. Vc não viu que quando ele veio pra gozar na minha boca eu não fiz nada? O que a gente pode fazer quando tá de frente ao um homem desse tipo? Só obedecer e rezar pra que ele se satisfaça rápido. Relaxa, pra mim vc continua sendo o mesmo cara.

Ele sorriu de canto de boca.

– É foda né? Eu conheço ele a anos e sempre foi assim. Quando ele quer, ele faz e pronto. E a gente não tem como negar.
– Eu acredito em vc! De verdade. Eu passei pela mesma coisa.

E enfim ele relaxou e sorriu. Nesse momento Jairo voltou do banheiro e se jogou no sofá entre nós dois. Passou os braços, um em torno do pescoço de cada um e puxou os dois pra perto dele.

– E ae galera, fui ligeiro mas deu tempo de se entenderem né?

Eu e pai sorrimos e eu disse:

– Acho que sim.
– Lindo isso! Acabou esse segredinho besta! Não precisamos disso né verdade? E o melhor que saio ganhando muito com isso. Agora que todos sabem de tudo, não preciso mais ficar até de madrugada acordado pra meter! Maravilha!

Foi impossível não rir.

– Não é verdade? E ninguém precisa ficar sem graça, somos amigos! Entre amigos, quase família não tem essa, e olha Nandão deixa eu te falar, vc tem que ter orgulho desse filho hein?! O cara é estudioso, esforçado viu, vc acredita que essa noite que passou o muleque levou martelada no rabo a madrugada toda e o safado agüentou na dele! E vc me conhece, eu meto mesmo sem pena e olha o tamanho da ferramenta (apontando pra pica mole). E olha o cara aí, inteirão! Quando vc chegou hj suspeitou que ele passou a noite toda tomando no cu?

Pai balançou a cabeça dizendo que não e sorrindo sem graça.

– E olha que era virgem! (Não, eu não era virgem, mas como a pica dele é muito grande ou ele achou que eu fosse oun quis que o coroa soubesse que eu não era), sabe o que é um cara virgem guentar minhas enterradas madrugada a dentro? Então vc tem que se orgulhar desse menino!

Eu também ri sem graça. Meu pai me olhou serio e perguntou:

– Vc nunca deu né Fabrício.

Jairo tomou a frente e respondeu:

– Cara isso eu garanto, um cu tão apertado com certeza era virgem, aí amigão relaxa, ele foi descabaçado por um brother seu é que foi o mesmo que te descabaçou!

Senti que meu coroa se aliviou com isso. Claro que não era verdade, mas nunca que iria simplesmente dizer isso ao meu pai. Mas Jairo continuou:

– E ae, o cara tá inteirão! De boa, pronto pra outra!
– Bem Jairo, pronto pra outra não, eu to todo dolorido cara, foi meio brutal noite passada.

Meu pai se apressou em perguntar:

– Porra Jairo, vc machucou meu filho?
– Porra cara machuquei, vc me conhece, eu machuco. Mas o cara tá inteiro! Isso que vale! Mas tem uma coisa que me preocupa.

Eu perguntei:

– O que?
– Porra, vc ficou com o leite que era de seu pai.

Meu coroa:

– Nada haver…

Jairo interrompeu:

– Não, tudo haver, vc que sofreu na vara pra tirar o leite, tinha que ser seu!

Ao terminar de dizer isso ele me segurou pela nuca e empurrou minha cabeça em direção a pica mole dele, esfregando minha cara em sua virilha.

– Então agora o justo é ele ceder o leite que seria de direito dele pra vc!

Então segurou a rola mole e enfiou na minha boca.

– Vai muleque, prepara a rola pratrabalhar. Vc precisa tirar leite dela pra seu pai!
– Que é isso Jairo também não precisa…

O olhar que Jairo deu pra meu pai no inicio dessa frase serviu pra calar o resto da frase.

Eu comecei a mamar aquele pau mole como um bezerro sedento por leite, dava ainda pra sentir o gosto do cu do meu pai com o gosto do leite dele e mais o gosto daquela pica. Jairo abriu mais as pernas e continuou segundando minha cabeça contra a pica dele como que pra garantir que eu não iria sair dali. Se fizeram mais alguns segundos de silêncio até que ele voltou a falar:

– Aí? Gostou da rola sem pelo? Ideia do seu guri, ele raspou minha pica um pouco antes de você chegar?
– Gostei, parece ate que sua pica ficou maior!

Ele riu satisfeito com a frase, como todo bom macho metedor, se você elogia a pica ou a performance dele o cara se enche todo.

– Então, enquanto teu garoto prepara minha pica, deixa eu falar, tá na hora também do Marcelo entrar nessa roda né? Vc sabe que como ele, ele sabe que como vc mas sempre assim no segredinho.
– Mas Jairo, o cara é casado, tem duas filhas, ele pode querer ficar na dele em relação a isso.
– Sim eu também sou casado e tenho um filho e to aqui comendo vcs! A gente é amigo cara, tá na hora de estreitarmos essa relação.
– Como assim?
– Amanhã, vou sair cedo, comprar umas carnes e vamos fazer um churras!

Nisso o pau dele ja estava ficando duraço só que com ele segurando minha cabeça aquele mastro estava me engasgando entalando em minha garganta.

– Solta a cabeça dele Jairo! Tá entalando ele.

Jairo estalou os dedos e soltou minha cabeça:

– Vai, mama aí daquele jeito massa que você mama, mostra ai pra teu pai que vc é tão bom mamador como ele!

Agarrei o pau dele com uma mão e comecei a mamar gostoso, saboreando o pirocão.

– Aí, mais um motivo de orgulho, mama muito bem o seu garoto, tem a quem puxar! Mas então, marcamos o churras, a gente chama ele, e aí eu junto vcs três e como! Aí a gente acaba com essa palhaçada de vez!
– Sei não, será que ele vai ficar a vontade?
– Vai cara! Vendo vc e seu filho na minha rola, com certeza ele vai se soltar.
– Então vc quer fazer uma suruba.
– Não! Nada haver! Porra que proposta feia essa sua! Nada de suruba. Afinal vcs são pai e filho, vc não vai querer meter no seu filho e nem o contrario né?
– Claro que não! Jamais!
– Pois é, e tb não vai querer ver o Marcelo metendo no seu filho. Afinal homem que dá cu não merece comer outro homem.

Achei machista e non-sense a lógica dele, mas vá lá. O cara é um brucutu e tem as ideias dele.

– É vc eu aceito porque, como eu e ele estávamos conversando, não tem jeito, vc é macho alpha, contra sua vontade a gente nao tem vez.
– Isso aê. E eu tb não dou cu né velho? Sou macho alpha como vc diz. E vc comer ele (Marcelo) ou ele te comer não tem nada haver né? Vai no mesmo problema.
– Então seria só vc pra comer a gente.
– Comer e ser mamado, e não tem motivo nem razão pra ser diferente. Sempre foi assim e assim sempre será.
– Bem, se é assim que você quer…. Como já disse: contra sua vontade a gente não tem vez e acho que isso serve pro Marcelo tb.
– Então esta combinado! Churras amanhã! Espeto na carne e espeto em vcs! Cara a nossa amizade vai se fortalecer ao extremo com isso! Vai por mim!

Com isso, ele me segurou pelos cabelos arrancando minha cabeça da pica dele e se levantou em seguida com a pica toda dura. Me puxou com violência pelo short me virando de bunda pra cima no sofá e com outro movimento com uma mão só, me arrancou rasgando o short do pijama fora. Meu pai viu tudo isso calado, sem dizer nada.

– Hora de espetar seu filho com o meu espeto.
– Jairo passa um lubrificante aí, o garoto ja tá machucado.

Ao ouvir isso ele se encaminhou em direção ao coroa, segurou ele pelo cabelo e enterrou a pica na boca dele:

– Lubrificante? Só se for cuspe! Vc me conhece, curto sentir o cu sendo rasgado por minha pica, nada de gelzinho. Quer ajudar teu filho? Então babe muito essa rola!

Então ele babou e cuspiu o máximo que podia no caralhão de Jairo, que em seguida se virou pra mim, me empurrando novamente:

– Vai, fica de quatro!.

Então fiquei logo de quatro, ele apontou a cabeça pra porta do meu cu e colou:

– Aí Nandão. Veja se ele não agüenta pica!

E empurrou a vara pra dentro com tudo. Com muita dificuldade Aquela cabeça entrou me rasgando todo mais uma vez, o meu rabo mesmo tendo sido bem usadonanoite anterior já estava fechado novamente. A dor foi horrível, eu ainda estava dolorido, reflexo da última bombada que levei dele, colei minha cara no encosto do sofá e mordi pra não gritar.

– Viu? A cabeça entrou rasgando ele todo e o muleque agüentou a onda! Veja agora o resto.

E foi enterrando a pica rapidamente ate socar tudo dentro de mim. A dor era tanta que nem respirar eu conseguia, acho até que apaguei por alguns segundos nesse momento.

– Olha ai Nandão! Todo enterrado no cu do garoto!

Com isso ele se posicionou e começou a meter com tudo no meu rabo. Eu ainda não tinha me recuperado da enterrada inicial e a dor se tornou insuportavel eu realmente não estava aguentando. Acho que pela presença de meu pai ali ele se animou e metia com tanta força e tão fundo que cheguei as ter a impressão de sentir gosto de sangue na boca. Meu pai percebendo que eu não ia aguentar aquilo veio a meu socorro:

– Sabe o que ia ser massa Jairão? Você mandar ele sentar na sua pica, pra mostrar que ele senta mesmo nesse caralhão!

Jairo parou enterrado em mim e ofegante falou:

– Boa! Ouviu garoto? Seu pai quer ver você de rei! Sentando no trono! Bora.

E arrarncou a trolha com tudo de dentro de mim o que doeu mais do que uma enterrada. Gemi e arriei no sofa e ele se sentou do meu lado. E vi que a pica dele estava com um pouco de sangue. Ele também notou e comentou rindo safadamente:

– Tirei sangue de novo do muleque. Mas de boa, ate hoje tiro sangue do seu cu né Nandão? E vc já ta acostumado! Imagina ele que é novato. Vem garato, o trono te espera.

Me levantei e mesmo com o cu ja estourado sentei naquele mastro. Mas de vagar, após a cabeça enrtar ficou mais facil ir engolindo aquela tora coma bunda. Sentei ate atolar tudo e rebolei com aquilo tudo cravado em mim. Olhei e vi que meu coroa assistia a tudo sentando bem ao lado de Jairo e se punhetando, ele estava gostando do seu momento comer. Comecei a cavalgar na tora ate que Jairo me segurou pela cintura parando o meu movimento com mais ou menos metade da pica enterrada:

– Olha Nandão, o cu do garoto ta todo arregaçado! Olha so, quando entra a pregas chega vao coladas e quando tiro o cu vem todo agarrado na pica!

O coroa so observava calado e se punhetando.

– O cu dele é muito apertado e ainda encarando essa vara desse calibre, o garoto ta se fudendo todo. Mas repare que ainda assim quando eu soltar a cintura dele ele vai voltar a cavalgar feito uma cadela no cio.

E me soltou e não ia desmentir ele! Comecei a cavalgar com tudo! Sentando eu sentia alguma dor, mas era uma dor boa, de prazer e também sentia muito prazer. Comecei a cavalgar feito um louco.

– Viu! Encara mesmo um caralhão! Tem que se orgulhar desse teu filho!

Eu cavalgava com tudo naquele trono, como ele dizia, enquanto meu coroa se punhetava so assistindo de camarote. Minhas pernas queimavam e meu cu ardia de tanto pular acho que devido à atividade que a cara dele estava tendo nas Tomás horas o gozo dele está retardando, mas também eu não queria parar, eu estava que era puro tesão com a situação. .

– Quer saber, vou demorar pra gozar. Levanta garoto, da chance pro seu pai ser rei, vem Nandão, sua vez de sentar no trono!

Me segurou pela cintura e me levantou me tirando da rola dele. Cai sentado do lado dele e pude ver meu pai se posicionando pra sentar na pistola e agora foi minha vez de ver a vara entrando no rabo dele.

– Aí Fabão, quando é com vc seu cu fica agarrado na minha pica, seu pai como ja ta com o cu folote de tanto eu meter desliza facil na vara. Veja ai:

E eu via a rola entrar e sair enquanto o coroa levantava e sentava, era incrível ver aquele mastro com todo aquele tamanho e espessura sumir cu a dentro. Agora eu me punhetava enquanto sentia meu cu ardendo e assistia meu pai cavalgar. O coroa se soltou e se entregou. Sentava mesmo na pica de Jair, que, vez ou outra gemia, mas era um gemido seco e quase mudo, quase como um touro.

– Caralho tô com muito tesão! Essas duas vadias pra minha pica ta me deixando doido!

Em dado momento ele se cansou de ser só espectador de rabo pulando no pau de e se levantou segurando o coroa pela cintura, virou ele de quatro e começou a meter do jeito que ele gosta de meter, na brutalidade. Ele urrava enquanto metia!

– Tesão do caralho! Fazendo pai e filho de viado! Tesão porra!!!

E do nada arrancou a pica de meu pai, me puxou pelo braço com uma força que achei que ia torar meu braço no meio pela força q usou, me virou de quatro e entrou com tudo no meu rabo.

– Sua vez! Toma viado filho!

O cara tava transtornado de tesão, metia com tudo! O saco dele me dava uma surra na bunda a cada estocada. Quando meu pai começou a se levantar ele interrompeu:

– NÃO fica ia de 4, vou sair de um cu e entrar no outro, agora, direto, sem parar.

Meu pai se posicionou de 4 do meu lado e ele tirou de mim e enfiou no coroa deu algumas cravadas brutas que arrancaram gemidos dele e inverteu, arrancou dele e enterrou em mim no mesmo estilo. Ficou assim por varios minutos, com pai e filho de 4 se alternando em receber pica grossa no rabo!

– Caralho! Que tesão comer dois cus!

Eu queria me soltar mais e dizer algumas coisas tipo pedir pra ele meter, chamar ele de nosso macho e tal mas a presença de meu pai ali do meu lado compartilhando aquela pica no cu comigo meio que me travou e acredito que o mesmo aconteceu com ele, mas pareceu não fazer diferença, Jairo tava louco de tesão e falava sozinho por nos três.

– Essas vadias tão tomando tanto no cu que chega tão caladas né? Tem problema não eu entendo, tomem mais rola!

E não gozava! Ele em geral demorava um pouco de gozar, mas dessa vez ele estava com a rola potencializada pelo tesão, não parava meter alternando a mais de 15 minutos ate que mudou o processo:

– Ja que seu filho e você Nandão estão aí se fudendo na minha pica pra me agradar, deixa eu fazer uma coisa pra agradar você porque sei que você gosta de minha pica com gosto de cu.

Tirou do rabo dele e puxou ele para o chão ajoelhando ele e meteu na boca dele segurando ele pela cabeça.

– Pronto, fudendo sua boca agora.

Eu permaneci de 4 esperando alguma ordem dele mas não demorou muito, ele tirou da boca de meu pai e meteu em meu cu e começou a socar.

– Agora é cu e boca direto!

E ficou alternando pistoladas no meu cu e na boca de meu pai, ate que na quarta vez que ele tirou do meu cu pra meter na boca de meu pai, ele segurou o coroa pelas orelhas como fez comigo mais cedo e começou a fuder a boca dele com tudo.

– Ta na hora do seu leiteputa chupa rola!

E algumas poucas enterradas depois, finalmente aquele macho urrou jorrando gala na garganta de meu pai. Que levou todo o leite quente na boca engulindo tudo. Após gozar ele ofegante e esopado de suor nem esperou que toda a gala fosse extraida da pica e caiu no sofa respirando pesado.

– Puta que pariu! A melhor metida que eu já promovi cara! Tesão puro! Bom demais! Porque demoramos tanto de fazer isso?

Eu sentei do lado dele e peguei na perna dele, pernão grosso e duro.

– Porque tudo tem sua hora!

Ele sorriu bem safado.

– Porra muito tesão adorei!

A pica dele ainda estava dura e vazando o resto de leite quando meu pai se sentou ao lado dele.

– Vai lambe ai o resto do leite que é seu por direito.

Meu pai olhou pra mim e perguntou:

– Você quer essa sobra?

Eu respondi ja caindo de boca na pica dele. O que tirou o comentario de Jairo:

– O garoto ta com sede! Bom pai você! Cuidando do filho.

Lambi a gala e chupei o resto do leite da pica dele e quando ja estava limpa continuei chupando a pica e mamando de leve. Ela estava inchada e pesada, parecia ainda maior e mais grossa que o de costume.

– Porra galera tô com tanto tesão ainda que a pica não quer baixar! Vocês me deixaram maluco! Se a rola não descer vou ter que meter mais em vocês!

Eu ja estava literalmente todo arregaçado e meu pai ja bem detonado! Eramos dois caras contra um macho, mas ele estava ganhando de lavada! E pelo visto ainda vinha mais pela frente. Então meu pai mandou:

– Pô Jairo, a gente já não ta bom não?!
– Porra cara eu sei, mas a pica ta pedindo mais, desculpa ai. Faz assim! Tive uma ideia. Teu garoto não ta ai mamando a vara? Então senta ai no chão e mama minhas bolas. Dai vocês ficam alternando, um na boca e outro nos ovos. Se a rola se acalmar ou gozar me dou por satisfeito.

Então meu pai concordou, se sentou no chão e abocanhou o sacão de Jairo. Ficamos mamando juntos aquela pica.

– Delicia de mamada! Duas bocas na vara! Bom demais!

Ficamos alternando como ele mandou, hora meu pai na pica e eu no saco, hora eu na pica e meu pai no saco. Ele vez ou outra segurava um pela cabeça e fudia a boca da gente ditando o movimento das nossas cabeças na pica dele.

– Vocês são bons de mamar rola hein? Juntos então é a perfeição! Familia que mama rola unida permanece unida!

Foi uma mamada longa. Quase meia hora mamando ovo e a rola, meu maxilar já doía. A pica dele estava no extremo de dura devido a todo o tesão que ele estava sentindo.

– Vai ter jeito não. Vou ter que meter! A pica ta querendo cu! Se eu não meter do jeito que ta boa essa mamada vocês vão mamar pra sempre e eu não vou gozar.

Segurou os dois pelos cabelos, cada um com uma mão e puxou as cabeças pra longe da pica dele. Se elevantou e sem nenhuma delicadeza ou gentileza puxou meu pai pelo ombro, colando ele na parede e entrou com tudo no cu dele e ja entrou socando uma atras da outra sem parar. Decididamente, delicadeza não fazia parte dele em nada. Vi a cara e ouvi os gemidos de dor de meu pai.

– Segura a onda ai Nandão, meu tesão ta a milhão. Tô perto de largar mais leve nesse rabo.

Me aproximei deles para assistir e esperar a minha vez de levar no rabo que eu já resignado sabia que não demoraria a chegar, e vi de perto a intensidade em que o baixinho metia no rabo do grandão colado contra a parede, que estava mole, de olhos fechados, completamente entregue, recebendo as investidas intensas e incessantes da jeba contra seu rabo, foram as metidas mais intensas da noite tão intensas que logo nos primeiros dois minutos o metedor urrou, mas urrou mesmo, como não tinha visto ainda ele urrar e largou leite no fundo do cu do coroa! Colou nas costas de meu pai que por sua vez estava ja com o corpo colado na parede.

– Puta que pariu! Muito tesão brothers! Muito mesmo!

Apos alguns segundos saiu arrancando a pica do cu do coroa e se largou no sofa. fiquei em pe olhando ele sentado e meu pai colado na parede.

– Sentem aqui comigo!

Obedecemos e sentamos. Dessa vez vi a rola dele inchada mas ja começando a ficar meia bomba.

– Porra fiquei devendo rola no seu cu né Fabão?
– Não de boa, eu tô bem.
– Não cara, vc querendo eu meto! Me da so uns minutos porque a rola agora exagerou, ficou gulosa, precisa respirar um pouco pra recomeçar.
– Não rapaz, eu ate prefiro, to com o cu todo esfolado, agüento mais não. Tá na hora de parar!
– E vc Nandão? Ainda quer rola no cu?
– Não, tô na mesma que ele, ja tô satisfeito.
– Porra beleza então, deixa eu fazer algo por minhas vadias, vao ae pro chao e ponham minha rola na boca naquele esquema, um nas bolas e outro na pica e toquem uma pra vcs gozarem.
– E se vc ficar de rola dura de novo?
– Ai vai ter mais rola no cus de vcs, mas agora vai demorar pra ficar dura de novo, se vcs forem rapidos não tem esse risco.

Eu não vou mentir, mesmo todo detonado eu ainda estava cheio de tesão e dava mais pra ele, mas como meu pai parecia não querer mais seguir, botei aquelas bolas na boca e nem quis saber da pica. Fiquei bem entre as pernas dele, com a cabeça por baixo, botando quilo tudo de ovo dentro da boca, chupando bola por bola, sentindo o cheiro de macho daquele saco e lambendo um fio de gala que se perdeu aqui e ali é viajando naquele sacão de macho, enquanto meu pai se deliciava na rola meia-bomba e ambos nos punhetavamos. Eu não demorei quase nada e gozei sobre minha barriga e fiquei com os ovos na boca esperando meu pai gozar que também não demorou a acontecer, gozando o chão;

– Pronto! Agora sim todos gozaram! Eu vou tomar um banho e vou dormir porque se ficar aqui vou acabar fudendo mais vcs. E vcs também vao descançar que amanha tem mais e com Marcelo no meio.

E saiu andando em direção ao quarto e parou no corredor.

– E na moral, se com dois cus eu fiquei nesse tesão absurdo, sei não, mas com 3 cus e 3 bocas a minha disposição, se preparem, porque se vocês acham que teve muita rola hoje, amanha vocês vão achar que não levaram quase nada de pica hoje!

E seguiu para o quarto fechando a porta.

Olhei pro meu coroa e ri

– Amanha a gente ta fudido!
– Eu que o diga! Esse cara quando esta com tesão é um problema!

Me levantei e fui beber agua e meu coroa veio atras de mim.

– Esta tudo bem ne?
– Fora o fato de eu estar todo quebrado e arregaçado sim!
– Falo de nos dois.
– Claro! Como já conversamos, Jairo é Jairo.
– Beleza, entendo, so não quero você virando viadinho, dando pra varios caras nem nada parecido beleza? Pra Jairo a gente entende, mas só.
– Coroa relaxa, a gente só é viado pra Jairo, fique na sua. Deixa eu ir tomar meu banho.

Me banhei e lavei o rabo, estava tão dilatado que eu tive a impressao de que daria um punho fechado dentro dele, sem contar o ardor que acompanhou quando a agua caiu nele. Mas ainda assim toquei uma punheta lembrando de tudo que tinha acabado de acontecer ora deixar ele naquele estado. Cai na cama acabado e vi que ja era mais de 4 da manhã. Pensei “duas madrugadas sendo varado por um macho! quem fim de semana! E ainda não acabou! Eita que segunda eu não to nem conseguindo andar”.

E acabei dormindo de tão cansado que estava, porque se não fosse pelo cansasso a ansiedade pelo domingo não me deixaria dormir…

Perdeu a primeira parte, confira AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *